SC Régua 2-2 Vidago FC

Penálti Inexistente influenciou o Resultado.

SC Régua 2-2 Vidago FC

Penálti Inexistente influenciou o Resultado. 

Tarde que aparentava ser primaveril, mas depressa se tornou fria, quer no tempo, quer o que se passou no terreno de jogo.

O jogo começou equilibrado, com ambas as equipas a tentar dominar o jogo, mas era a equipa Vidaguense que conseguia trocar melhor a bola, opondo-se a equipa Duriense com um futebol direto. 

Apesar de algum equilíbrio, o Vidago com melhor qualidade de jogo foi a única equipa que conseguiu importunar o guardião contrário. Por duas vezes, Fábio completamente isolado ao guardião Reguense, não conseguiu inaugurar o marcador, uma vez rematando ao lado, na segunda oportunidade, rematou contra as pernas do guarda redes da casa.

Quando se esperava chegar-se ao intervalo com o empate a branco, eis que Daniel é lançado da esquerda, vai à linha de fundo, cruza e encontra Rafa isolado que só teve de encostar para o fundo da baliza. Fez-se assim justiça dado a melhor qualidade de jogo da equipa forasteira. 

A segunda parte começa com a mesma toada da primeira, equilíbrio a meio campo. E numa jogada confusa aos 50 minutos. de jogo, surge o guardião da casa fora da sua área, e Rafa num excelente primor técnico, faz um enorme chapéu e coloca a bola no fundo da baliza, dilatando assim o resultado.

O Régua tentava reagir, mas sempre em bolas lançadas em profundidade, e num lance aparentemente inofensivo, João Nuno, sentindo um adversário nas suas costas, deixa-se cair na área e para espanto, o protagonista da partida assinala a marca de grande penalidade. Na conversão o próprio João Nuno reduz para 1-2. 

O treinador do Régua, foi tentando mexer na equipa para tentar que a equipa chegasse à igualdade, mas o jogo continuava muito jogado a meio campo, sem grandes oportunidades de golo. Mas ainda não satisfeito, o árbitro da partida, num lance em que Rendeiro joga apenas a bola, admoestou o capitão da equipa da Vila Termal com cartão vermelho direto. Foi notório, que o próprio jogador Reguense, ficou admirado com tal decisão. 

Na sequência do livre, quis o destino, e infelizmente pelas piores razões, as equipas ficaram em igualdade numérica, quando um choque entre vários jogadores da equipa da casa e o guardião Vieira, O defesa do Régua Patrick, sofreu uma gravíssima lesão, estando o jogo interrompido mais de 20 minutos. O jogador saiu em muito mau estado diretamente para o hospital. Como o treinador da casa já tinha esgotado as substituições, ambas as equipas ficaram com 10 elementos.

Com as equipas reduzidas, com muitas habilidades que o árbitro da partida ia brindando a equipa Vidaguense, o Régua começou a sentir-se mais confortável na partida, os forasteiros foram recuando no terreno, proporcionado a melhor fase à equipa da casa.

E numa jogada tirada a papel químico ao primeiro golo do Vidago, o Régua chega ao tento da igualdade, neste caso foi o jogador número 11 a faturar.

Nesta fase, nem os próprios jogadores sabiam quanto tempo faltava para o fim do jogo, e apesar de algum domínio do Régua, foi o Vidago que mais próximo esteve do golo da vitória, faltava saber era se isso seria permitido. 

Chegava-se assim ao fim da partida, com um empate, que parecia agradar mais à equipa de arbitragem do que as outras duas equipas intervenientes do jogo. Não se percebe muito bem as nomeações que se começam a fazer à equipa que mais próxima estava para disputar o campeonato com a equipa da capital de distrito. Numa fase tão prematura da competição, parece que a equipa Vidaguense, começa a incomodar muita gente, e eis que nos dois últimos jogos fora de casa, tem exatamente a mesma equipa de arbitragem, agravando ainda o facto de nesse último jogo, a equipa de Pedro Adão se lamentar fortemente da atuação do árbitro da partida, quando se viu reduzido a 10 elementos, um dos seus jogadores teve que se deslocar ao hospital por agressão, sem qualquer admoestação e sofrer um golo aos 96 minutos. 

Quanto á prestação do Juiz da partida, foi muito mal, para não dizer péssima, a atuação do árbitro Gonçalo Martins na tarde deste domingo (13) na Régua.

Faltou em Gonçalo Martins a qualidade esperada que deveria esperar de um juiz que apita jogos no Nacional. Este senhor em duas jornadas consecutivas que apitou2016-11-13
Autor: MP

Voltar