GD Cerva 2-1 Vidago FC

Mérito do Cerva e alvinegros com pouca cabeça.

GD Cerva 2-1 Vidago FC

Mérito do Cerva e alvinegros com pouca cabeça. 

Tarde fria no campo das Baraças, mas sem chuva coloca frente a frente duas equipas que cedo se notou que estavam expectantes no sentido de tentar perceber quais as intenções do seu adversário, mostrando-se algo cautelosas. 

A primeira jogada de perigo teve como protagonista Fábio, que pelo lado esquerdo usa a sua velocidade para conseguir colocar a bola nos pés de Edu Paiva, que na tentativa de picar a bola para o fundo da baliza, leva-a a embater na trave, que prontamente foi aliviada pela defesa Cervense, que por sua vez encontra a equipa forasteira toda lançada no ataque, e num rápido contra-ataque permitiu que Geninho inaugurasse o marcador. 

A equipa de Pedro Adão tentou responder à inferioridade no marcador e aos 17 m. consegue chegar ao golo da igualdade, quando Edu lançado em profundidade, e após uma falha do defensor da casa Hugo, consegue centrar para a pequena área onde estava sozinho Fábio, que apenas teve de encostar para golo. 

Quando se pensava que este golo iria galvanizar a equipa Vidaguense, eis que acontece precisamente o contrário. Foi a equipa da casa, que por várias vezes criou perigo para a baliza de Vieira, que por mérito deste, ou ineficiência dos seus dianteiros, nunca conseguiu chegar ao segundo golo. 

Terminava assim a primeira parte, com sinal mais do Cerva, com a equipa Vidaguense um pouco apática no jogo. 

A segunda parte parecia trazer um novo Vidago, e logo aos 55 m. Edu completamente isolado permitiu uma excelente defesa do guardião Francês. Grande mérito para a defesa do guardião da casa, já que este no último lance da primeira parte, saiu lesionado, voltando para a segunda parte em nítidas dificuldades. Talvez reflexo de alguma desconfiança dos homens da casa, os primeiros 15 m. foram o melhor período dos comandados de Pedro Adão, mas cedo o Cerva conseguiu equilibrar o encontro e aos 70 m. após um lançamento lateral, numa desatenção dos homens de Vidago, a bola sobra para a entrada da área onde aparece o Anselmo Moura a rematar para o fundo da baliza, sem qualquer hipóteses para Vieira. 

O Vidago ainda tentou reagir ao golo, mas uma tarde desinspirada dos seus jogadores, que nunca conseguiram interligar os seus setores, e alguma manha dos homens da casa, impediu que o empate surgisse.

A equipa Vidaguense averbava assim a segunda derrota consecutiva, num resultado que se ajusta ao que se passou no terreno de jogo, com uma arbitragem positiva, muito facilitada pelos interpretes de ambas as equipas.

2016-11-27
Autor: MP
Voltar